Crise e saúde.

Panorama económico atual pode aumentar problemas mentais e doenças associadas à má alimenta.

O atual contexto de crise em Portugal vai aumentar os problemas de saúde mental e as doenças associadas a uma alimentação inadequada, disse o diretor da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) em entrevista à Lusa.

“Creio que o impacto das alterações pelas quais estamos a passar atualmente será ao nível da saúde mental e ao nível também de algumas doenças associadas a consumos alimentares de menor qualidade”, afirmou.

João Pereira sublinhou que, perante a crise, “as pessoas podem substituir comida mais saudável por comida mais barata, o que poderá trazer perigos de saúde”. Referindo-se à aplicação de sistemas de vigilância epidemiológica, João Pereira disse que existem investigadores que sustentam que “em momentos de crise económica o nível de saúde da população decresce”.

“Um acompanhamento epidemiológico da população poderá ser altamente recomendável para verificar que não estamos a atingir níveis preocupantes de perda de saúde e até de aumento de mortalidade para a população portuguesa”, assinalou o também especialista em economia da saúde.

O diretor da ENSP admitiu que poderão existir alguns riscos em termos de controlo de higiene, mas não acredita que a “vigilância do Estado vá descer a um nível tão baixo”, que ponha em causa a vida em comum.

João Pereira lembrou que, devido à situação económica do país, “muitas pessoas que antes recorriam ao setor privado vão precisar de recorrer ao sistema público, por dificuldades financeiras”.

“Vai haver uma pressão enorme sobre o sistema, que vai ter alguma dificuldade em fazer face às novas necessidades”, considerou. Ainda assim, o responsável acredita que este é um bom momento para considerar alternativas e “avaliar rigorosamente” o que deve ser feito.

“Uma mensagem que saiu da análise dos comentadores internacionais que vieram analisar a nossa economia, em particular, é que o sistema de saúde português precisa de seguir critérios de maior rigor, nomeadamente com orientações clínicas e monitorização da prescrição e precisa de avaliar a tecnologia que é adotada”, assinalou.

Fonte: Lusa

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Os comentários estão fechados.